sábado, 8 de agosto de 2015

Material de Teologia 8º semestre - FACETEN

Disponibilizo o material para a turma de 8º semestre do curso de Bacharelado em Teologia:


As dimensões do diálogo nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Bacharelado em Teologia

DIÁLOGO:
  • Com outras áreas científicas
    • Promovendo estudos interdisciplinares;
  • Com diferentes teologias e culturas
  • Com as áreas da interface: Psicologia, Antropologia, Direito, Biologia e outras áreas científicas (Sociologia, Filosofia, História, Linguística - estilos);
  • Com outros saberes / consciência planetária / Natureza;
  • Ecumênico e inter-religioso, cultivando atividades abertas, respeitosas da diferença;
  • Novas formas de diálogo e intervenção do saber teológico no âmbito da sociedade;
  • Promoção do diálogo, da tolerância e da colaboração em relação às outras tradições religiosas e aos que não creem;
  • Diálogo com diversos grupos culturais e sociais;
  • Agir na promoção do diálogo, do respeito e da colaboração em relação às outras tradições religiosas e aos que não creem.



sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Seminário: Fenômeno Religioso

O Prof. Manoel Rabelo e a Profa. Jacilda Barreto agradecem a participação no Seminário sobre Fenômeno Religioso. Informamos que a temática é muito longa para uma compreensão ampla desse tema em pouco tempo, mas que teremos outras oportunidades de discorrer sobre esse tema que tanto nos encanta.

Abaixo estão os acessos das apresentações e o texto que produzimos para este seminário (é só clicar nos links abaixo, em Download e em Free Downloads):
Abordagens religiosas - Manoel.
Um psicólogo no campo de concentração - Jacilda
Introdução à logoterapia - Jacilda
Fenômeno Religioso - Jacilda
Fenômeno Religioso em Frankl e Croatto - Jacilda
Fenômeno Religioso e teologias cristãs - Manoel

Aspectos do Fenômeno Religioso - Manoel e Jacilda

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Minicurso Filosofia Política: Apresentações (Atualizado)

Disponibilizo as apresentações dos dias 09, 10 e 11 do Minicurso de Filosofia Política:
a) Introdução ao minicurso;
b) Metodologia para análise da filosofia política de Éric Weil;
c) Vida e obra de Éric Weil;
d) Introdução à filosofia política de Éric Weil;
e) O pensamento político de Weil - Simões;
f) Moral em Éric Weil;
g) Conceito de moral e sua relação com a filosofia política - tópicos da moral (cap. 1) de Weil;
h) Concepção de Estado, Indivíduo e Sociedade em Weil;
i) Estado e suas relações com o Estado mundial.


Minicurso Filosofia Política

Disponibilizo material do Minicurso Filosofia Política:
1. Projeto do minicurso:
 Projeto do minicurso, referências (bibliografia) e esboço do artigo.

2. Na web:
Pensamento de Éric Weil.

3. Textos publicados:
A) A questão do estatismo hegeliano segundo Éric Weil - Daniel Benevides Soares;
B) Éric Weil e as relações internacionais- Evanildo Costeski;
C) Moral e cidadania - Um reflexão sobre a filosofia política de Éric Weil - Sérgio de Siqueira Camargo;
D) O Estado mundial como horizonte da filosofia política de Éric Weil - Judikael Castelo Branco;
E) O Estado mundial na filosofia política de Éric Weil - Jean Français Robinet;
F) O pensamento político de Éric Weil - Mauro Cardoso Simões;
G) Religião e política em Éric Weil - Sérgio Siqueira de Camargo;
H) O Estado mundial em Éric Weil - Evanildo Costeski.


4. Para procurar as dissertações coloque cada nome do autor ou do tema do trabalho no portal de teses e dissertações:
a) Dialética do Estado: Ação política na filosofia de Éric Weil - Francisco Waldério Pereira da Silva;
b) Violência e ação política em Éric Weil - Judikael Castelo Branco;
c) Agir razoável segundo Éric Weil - José Eronaldo Marques;
d) Ação no Estado em Éric Weil - Renato Silva do Vale.

Filosofia política de Éric Weil

A filosofia política de Éric Weil é uma obra com importantes significados para as discussões sobre o problema político. Apresento aqui a Introdução desta obra para que possamos entender de forma profunda a política.
INTRODUÇÃO-WEIL

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Religiões Indígenas

São inúmeras as manifestações religiosas dos indígenas do Brasil. Os primeiros contatos dos europeus já demonstraram que os indígenas já manifestavam religiosidades muito diversas.

Não havia respeito, por parte dos europeus, às manifestações culturais e religiosas, mas o conhecimento se dava no sentido de demonstrá-los como exóticos.

Nas condições iniciais os portugueses interessavam-se apenas pelo comércio. Às custas de muito sofrimento, os índios sofriam de todas as formas pelo contato de gente estranha. Sofriam por não entender o que estava acontecendo, com a doença trazida, guerra e escravidão.

O conhecimento acontece da maneira mais trágica possível. São destituídos da terra-mãe, arrancados dos locais comuns que frequentavam. Seus mitos são achincalhados, seus rituais considerados nocivos e coisa sem sentido. Os costumes desses povos foram profundamente modificados, enfim sua religião desconsiderada.